LEM News - Notícias que realmente interessam!
(77) 9.9906-1346
Brasil

Os pais da jornalista Maysa Ferreira, de 22 anos, viralizaram nas redes sociais após uma homenagem muito sincera que fizeram para a filha durante a entrada dela na cerimônia de formatura. Os dois levaram uma faixa onde estava escrito: "Maysa, não era o que queríamos, mas formou. Seus pais". Aos risos, a jovem garante que tudo não passou de uma brincadeira.

"No ano passado a minha irmã se formou em nutrição e eles levaram uma faixa 'Não fez mais do que a sua obrigação'. Todo mundo achou muito engraçado e eles prometeram fazer uma parecida para mim, mas não me contaram a mensagem", conta Maysa.

A formatura, na Universidade Federal do Tocantins, foi na noite da última sexta-feira (18) e desde então a foto vem sendo compartilhada na web.

Os pais da jovem, Ailton Cunha e Erlaine Ferreira, sempre sonharam com outra profissão para a filha, mas nunca deixaram de apoiar o sonho dela. "Eles queriam que eu fizesse direito. Como eu sempre gostei muito de ler, eles achavam que direito era a minha cara", explica a jornalista. "Mas eles sempre apoiaram e sempre tiveram orgulho de dizer que eu estava na faculdade pra todo mundo".

Um detalhe curioso é que a jovem não se imaginava fazendo jornalismo até o final do ensino médio. "Eu pensava em fazer história, que sempre foi uma paixão, ou direito mesmo. Mas quando eu descobri que existia jornalismo na UFT decidi prestar o Enem".

Ainda procurando emprego, a jovem tem sonhos para o futuro. "O sonho mesmo é fazer uma especialização em jornalismo de moda. Falar sobre moda e atuar nessa área", diz. "Mas o que surgir eu estou topando", completa rindo.

Fonte: G-1

“Não cabe trazer aos autos as eventuais comunicações entre o Ministério Público Federal e o Ministério Público da Suíça para satisfazer as especulações da defesa”, despachou nesta sexta-feira (18/8) o juiz Sergio Moro. Foi a justificativa que ele deu para negar à defesa do ex-presidente Lula acesso às comunicações do MPF com autoridades suíças depois que os procuradores da República disseram não ter conseguido acesso ao sistema de registro de pagamento de propinas. “Se o MPF alega que não dispõe da prova pretendida, a afirmação merece fé”, afirmou o magistrado.

O despacho está na ação penal em que Lula é acusado de receber R$ 75 milhões da Odebrecht como fração de contratos superfaturados assinados com a Petrobras.

A defesa do ex-presidente, feita pelos advogados Cristiano Zanin Martins, Valeska Teixeira Martins e Roberto Teixeira, alega que o fato de o MPF dizer não ter conseguido acesso ao sistema tem tudo a ver com as acusações. De acordo com petição enviada a Moro, ou o MPF quer restringir o acesso da defesa a documentos que podem ser transformados em provas posteriormente, ou não quer admitir que as delações premiadas dos executivos da Odebrecht são apenas declarações, sem “elementos probatórios”.

O sistema a que defesa, acusação e juiz se referem é o My Web Day. Segundo o executivo Hilberto Mascarenhas disse em sua delação, esse era o sistema usado para controlar os pagamentos de suborno a agentes públicos, com origem, destino, data e registro de contrapartidas. Para acessar o programa, era preciso de uma senha, que ficava registrada num token semelhante aos usados por bancos com seus correntistas.

Em petição enviada a Moro no dia 28 de julho, os procuradores que tocam o processo disseram que não tiveram acesso a “cópia integral” do sistema My Web Day. Nem Odebrecht e nem autoridades suíças forneceram essas informações — os servidores do sistema ficavam em Angola, mas depois foram migrados para a Suíça. O “sistema de propinas” a que o MPF costuma fazer referência é o Drousys, usado pelos executivos para discutir os pagamentos.

Para os advogados de Lula, a informação foi propositalmente truncada para despistar os advogados. Hilberto Mascarenhas fez referência ao My Web Day em sua delação, e a fala foi apensada à ação penal como prova. No dia 5 de julho, os advogados de Lula pediram acesso ao tal sistema. No dia 12 do mesmo mês, Hilberto disse em audiência que só depois lembrou que não tinha mais o token com as senhas de acesso.

De acordo com a defesa do ex-presidente, o MPF deveria dizer a que parte do My Web Day teve acesso. Como não disse, e nem quis dar mais explicações, a defesa pediu cópia das correspondências entre MPF e MP da Suíça. De posse desses documentos, os advogados acreditam que terão dimensão da quantidade de informações a Suíça de fato franqueou o acesso às autoridades brasileiras.

Mas Moro disse que Lula deve confiar no que dizem os procuradores. Se disseram que não tiveram acesso ao My Web Day, a fala “merece fé”. “De todo modo”, ressalvou o juiz, o MPF deve informá-lo assim que conseguir acessar o sistema, “total ou parcialmente”. Aí ele vai decidir se a defesa deve ou não ter cópias dos documentos.

Fonte: CONJUR

Uma surpresa positiva para os economistas, a economia brasileira voltou a crescer no segundo trimestre deste ano. A alta foi de 0,25% no período, nas contas do Banco Central. Esse foi o segundo trimestre seguido de crescimento da atividade e, se o dado for confirmado oficialmente pelo IBGE, consolida a saída do país da recessão.

Após a divulgação de dados setoriais mais favoráveis, os analistas revisaram as suas apostas de uma queda no trimestre para algo no campo positivo. Os dados oficiais do IBGE só serão conhecidos mês que vem.

Todos os números dos meses anteriores foram revisados e isso apresentou uma melhora do IBC-Br, o índice de atividade do Banco Central que tenta antecipar o comportamento do Produto Interno Bruto (PIB). Os números do BC revelam que o Brasil carrega efeitos da crise menores que no passado.

Nos últimos 12 meses terminados em junho, o país acumula uma retração de 1,82%. A melhora foi rápida. Até maio, o Brasil retraia — apesar da melhora recente — numa velocidade de 2,23%. Os dados do mês de junho influenciaram.

Nesta quinta-feira, o Banco Central divulgou o seu cálculo próprio, o IBC-Br. O incide de atividade da autarquia ficou em 0,5% em junho.

Pelos cálculos do IBGE, a economia brasileira voltou a ficar no azul no primeiro trimestre após dois anos. O Produto Interno Bruto (PIB) registrou alta de 1% no primeiro trimestre, na comparação com os últimos três meses do ano passado, influenciado principalmente pelo bom desempenho da agropecuária.

ICB-Br

O IBC-Br foi criado pelo BC para ser uma referência do comportamento da atividade econômica que sirva para orientar a política de controle da inflação pelo Comitê de Política Monetária (Copom), uma vez que o dado oficial do Produto Interno Bruto (PIB) é divulgado pelo IBGE com defasagem em torno de três meses. Tanto o IBC-Brquanto o PIB são indicadores que medem a atividade econômica, mas têm diferenças na metodologia.

Esse indicador do BC leva em conta trajetória de variáveis consideradas como bons indicadores para o desempenho dos setores da economia (indústria, agropecuária e serviços).

Já o PIB é calculado pelo IBGE a partir da soma dos bens e serviços produzidos na economia. Pelo lado da produção, considera-se a agropecuária, a indústria, os serviços, além dos impostos. Já pelo lado da demanda, são computados dados do consumo das famílias, consumo do governo e investimentos, além de exportações e importações.

Fonte: ECONOMIA S/A

Com certa frequência, as manchetes mundiais dão destaque àpoluição atmosférica que engole as cidades chinesas, transformando o dia em noite e obrigando a população a andar com máscaras de proteção. O Estado de São Paulotambém vive um “arpocalipse” particular, embora menos notório que no país asiático, o que, não raro, contribui para inobservância do poder público.

A poluição do ar foi responsável por um total de 11.200 mortes precoces no ano de 2015 – mais que o dobro das mortes provocadas por acidentes de trânsito (7867), cinco vezes mais que o câncer de mama (3620) e quase 6,5 vezes mais que a AIDS (2922). Os dados são de um estudo do Instituto Saúde e Sustentabilidade, divulgado nesta segunda-feira, por ocasião do Dia Mundial da Poluição.

Apesar de nem sempre visível a olho nu, a ameaça é real: passar pelo menos duas horas exposto ao trânsito na capital equivale a fumar um cigarro, diz a pesquisa. Para o estudo, os pesquisadores fizeram uma releitura inédita do Relatório de Qualidade do Ar 2015 da CETESB,”Qualidade do Ar no Estado de São Paulo Sob a Visão da Saúde” segundo os padrões de qualidade de ar recomendados pelo Air Quality Guidelines, da Organização Mundial da Saúde(OMS).

Os resultados mostram que a apesar do Estado de São Paulo possuir a melhor e mais precisa rede de monitoramento ambiental de poluição do ar da América Latina, os padrões utilizados para medir a qualidade do ar estão ultrapassados.

A Resolução do Conselho Nacional do Meio Ambiente, CONAMA 03/1990, que estabelece os padrões de qualidade do ar nacionais em vigor até hoje, foi implementada há 27 anos e, portanto, não reflete os novos conhecimentos científicos sobre o tema.

Segundo o estudo, os níveis dos padrões de qualidade do ar paulistas e nacionais são superiores aos níveis críticos de atenção e emergência determinados por outros países.

“É inaceitável que um problema de saúde pública desta dimensão continue invisível”, adverte em nota o Dr. Paulo Saldiva, diretor do Instituto de Ensinos Avançados da USP e um dos autores do estudo.  Junto de outros pesquisadores, ele propõe a atualização dos padrões de qualidade do ar preconizados pela OMS dentro do menor prazo possível. “Embora não altere a situação do ar, mudar o padrão permitirá entender a real situação para que possamos agir para sanar o problema”, afirma.

Mantendo-se os níveis de poluição do ar no estado como hoje, São Paulo terá 250 mil mortes precoce até 2030 e 1 milhão de internações hospitalares com dispêndio público de mais de R$ 1,5 bilhão, prevê o estudo.

As principais ameaças são as malfadadas micropartículas poluentes PM2,5. Medindo apenas 0,0025mm, elas resultam da combustão incompleta de combustíveis fósseis utilizados pelos veículos automotores ou em termelétricas, e formam, por exemplo, a fuligem preta em paredes de túneis.

Imperceptível a olho nu, o material particulado não encontra barreiras físicas, afeta o pulmão e pode causar asmas, bronquite, alergias e outras graves doenças cardiorrespiratórias.

“Com este estudo, visamos alertar sobre os riscos da nossa legislação ambiental de aceitar como seguras concentrações de poluição do ar reconhecidamente lesivas à saúde da população”, alerta em nota a Dra. Evangelina Vormittag, autora do relatório.

“Não é por falta de uma qualificada pesquisa científica e informação que isso ocorre em nosso país – o Brasil é um dos países que mais publica sobre o tema no mundo, entre os seis primeiros, entretanto, não conseguiu estabelecer políticas públicas suficientes, que venham controlar os malefícios ambientais para a saúde humana e a diminuição dos gastos públicos em saúde decorrentes”, acrescenta.

Fonte: LPTV

Apesar de não ter se classificado para a etapa nacional da Olimpíada Brasileira de Robótica (OBR), os alunos da escola Municipal José Cardoso de Lima trouxeram um importante título para Luís Eduardo Magalhães: melhor escola pública na OBR.

Orientados pelo professor Rogério Zapata, os alunos do 9º ano A Lucas, Afonso, Jhon Lucas, Matheus, ficaram em 9º lugar no torneio.

 

Eles competiram a etapa teórica e na prática, usaram o robô Charlie. Nessa segunda-feira, (14), eles já estarão de volta À escola, onde devem ser recebidos com festa.

A etapa estadual da Olimpiáda aconteceu em Salvador, na Arena Fonte Nova, durante a Campus Party, maior feira de tecnologia e inovação do mundo.

Fonte: RAQUEL SANTANA

A Polícia Nacional do Paraguai, a Agência Brasileira de Inteligência e a Polícia Federal brasileira prenderam e deportaram integrantes do PCC no Paraguai. Os detidos são suspeitos de terem assaltado a empresa Prosegur, em Cuidad del Este, em abril deste ano.

A cooperação é parte de um conjunto de ações de segurança do governo brasileiro para o Rio de Janeiro, por meio do Plano Nacional de Segurança e que prevê uma atuação mais abrangente, ao incluir os outros estados brasileiros, o Distrito Federal e países vizinhos.

No caso do Paraguai, a cooperação de Inteligência permitiu a coleta de dados e o intercâmbio de informações.

Fonte: RGA

Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal de Mato Grosso do Sul (Iagro) está investigando a morte de 1,1 mil cabeças de gado no confinamento da Marca 7 Pecuária, na fazenda Monica Cristina, no município de Ribas do Rio Pardo, a cerca de 40 quilômetros de Campo Grande. Como os animais estavam praticamente prontos para o abate, a estimativa é que a mortandade tenha causado um prejuízo de aproximadamente R$ 2 milhões ao criador Persio Ailton Tosi.

O diretor-presidente da Iagro, Luciano Chiochetta, disse ao G1 que as mortes começaram a ocorrer na quarta-feira passada (2) e que na sexta-feira (4) o proprietário comunicou ao órgão, que enviou uma equipe até o local. A suspeita, conforme ele, é de intoxicação por toxina botulínica, que teria ocorrido quando os animais ingeriram silagem úmida de milho, que estava embolorada.

A suspeita clínica de morte do gado por botulismo, conforme Chiochetta, é fundamentada nos sintomas que os animais apresentavam quando estavam morrendo como: andar cambaleante e paralisia dos membros posteriores e depois dos inferiores até que ficavam deitados no chão. Depois o quadro se agravava com a paralisia total e parada cardiorrespiratória.

Ele explica que uma equipe da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), que esteve no local, antes da chegada dos técnicos da Iagro, coletaram amostras que estão sendo analisadas nos laboratórios da agência e vão ajudar a confirmar as suspeitas da causa da morte dos animais. “Foram coletadas amostras do fígado e do rúmen dos animais mortos, da ração úmida de milho, da silagem comum, do feno e da água”, explica.

O diretor-presidente da Iagro comenta que as suspeitas de que os animais tenham se intoxicado em razão da ingestão de silagem úmida embolorada porque esse produto é o que oferecia as condições mais propícias a proliferação da bactéria que causa o botulismo. “Outro tipo de silagem, a seca também de milho, foi oferecida além do gado a outros animais que não apresentaram sintomas da intoxicação. Além disso, logo que foi suspensa a alimentação dos animais com a ração úmida, as mortes terminaram, mas seguimos monitorando”, explicou.

Ele também descartou a possibilidade da contaminação ter ocorrido em razão da água que o gado consome, porque os reservatórios foram limpos recentemente e outros animais da propriedade que ingerem o mesmo produto não apresentaram sintomas de intoxicação.

Chiochetta ressaltou em relação a morte dos animais que se trata de uma suspeita clínica de botulismo e não de uma doença infectocontagiosa. “O botulismo é uma intoxicação que ocorre por toxina, por conta de uma bactéria que encontrou condições ideais para se multiplicar. Não é transmissível. O animal ingeriu alimento contaminado com a toxina da bactéria”.

O diretor-presidente da Iagro revelou ao G1 que os animais mortos estão sendo enterrados em uma vala de 4 metros aberta em uma área elevada da própria propriedade. Em relação a outros 500 animais do confinamento que não morreram, ele disse que estão sendo monitorados, mas que houve uma mudança na alimentação.

Chiochetta diz que ainda nesta terça-feira a Iagro deverá divulgar uma nota técnica sobre o caso.

Posição da empresa

O criador Persio Ailton Tosi divulgou no fim da manhã desta terça-feira uma nota onde aponta que todos os animais da propriedade, especialmente, os do confinamento já tinham sido vacinados, atendendo em obediência ao que recomenda o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), e que logo que começaram a ocorrer as mortes de animais, foi acionada a UFMS e a Iagro e que todas as providências pertinentes foram tomadas, sendo um caso isolado, que não demanda uma preocupação com doença desconhecida ou epidemia.

Aponta ainda que a suspeita clínica é de botulismo, mas que é prematuro se antecipar aos lados de laboratório e diagnóstico dos técnicos convocados.

CONFIRA A ÍNTEGRA DA NOTA DIVULGADA PELO CRIADOR:

Confinamento de bovinos, na Fazenda Monica Cristina, em Ribas do Rio Pardo, de 02 a 05 de agosto teve ocorrência de mortes, mais de 1.000 bois confinados.

No momento, as mortes estabilizadas, contagem final ainda sendo apurada.

Propriedade organizada, com 42 anos na atividade pecuária, é uma de cinco fazendas, assistidas por três médicos veterinários, responsáveis pela nutrição e reprodução de todo rebanho.

De imediato foram requisitados, professores da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, na área de clínica e patologia, comparecendo ao local, em diversas visitas, examinando todo rebanho, coletando material para pesquisa em laboratório, que possa identificar a causa da mortalidade.

A IAGRO foi notificado diretamente na pessoa do Presidente dr Luciano Chiochetta e na Delegacia Federal de Agricultura, o superintendente Celso Martins.

Todas providências pertinentes foram tomadas, em irrestrita obediência aqueles órgãos, enterrando os animais, em valas de 4 m de profundidade, em verdadeira operação de guerra, trabalho completado no último sábado, 05 de agosto pp.

Todos animais da propriedade, e especialmente aqueles do confinamento já tinham sido vacinados individualmente no tronco de contenção, em obediência ao que determina o Ministério da Agricultura.

As operações de confinamento na marca 7 Pecuária repetem-se já por 11 anos, com muita eficiência e respeito a sanidade e ao meio ambiente.

A fazenda produz 80% dos animais na categoria de novilho precoce, colaborando para produzir no Mato Grosso do Sul, a melhor carne do Brasil.

É caso isolado, não há o que preocupar-se em termos de doença desconhecida ou qualquer epidemia.

Suspeitas clínicas são de botulismo, entretanto é prematuro antecipar-se aos laudos de laboratório e diagnóstico dos técnicos convocados.

O produtor não pretende manifestar-se antes do diagnóstico dos técnicos, ao mesmo tempo em que agradece as manifestações de apoio de amigos e colaboradores que tão bem conhecem sua idoneidade e dedicação ao agronegócio.

 

 

Fonte: G-1

Auxiliar de enfermagem faz gesto obsceno para paciente em Itanhaém, SP (Foto: Arquivo Pessoal)

"O desrespeito que sofremos por esta senhora que nos mostra o dedo no lugar de seu crachá é o mesmo que todos nós brasileiros somos vítimas quando precisamos dos serviços públicos". O desabafo é da gestora Cláudia Alexandra Spagnol, de 47 anos, após passar pela Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Itanhaém, no litoral de São Paulo.

Cláudia esteve na UPA na sexta-feira (4) para acompanhar a esposa, a cozinheira Marta José do Nascimento Nunes Spagnol, de 53 anos, então com suspeita de caxumba. Elas alegam terem sido destratadas por funcionários, enquanto aguardaram por quase 10 horas o diagnóstico de uma médica que, segundo ambas, nem olhou para a cara delas.

"Eu tenho pânico de hospital, mas eu já estava há dois dias com febre e com dor. Eu fui até lá, pois realmente precisava e não aguentava mais. Queria um remédio", contou a paciente. Ao ser atendida na recepção, ela disse ter preenchido um formulário e aguardou a consulta com o médico, o que ocorreu depois das 16h.

A demora inicial, segundo ela, não foi o problema. "Nós já vamos sabendo que não vai ser rápido e que vai ter muita gente esperando. É difícil. Quando eu fui atendida, o primeiro médico foi atencioso e pediu exames para confirmar a caxumba. Fiz em seguida e, como ia demorar, sai da UPA para comer um lanche".

Quando retornou, Marta lembra que os funcionários da recepção pediram para que ela preenchesse um novo formulário. "Nós pedimos uma explicação, já que era a mesma consulta e queríamos o exame para o diagnóstico final do médico e, assim, ir embora dali", explica a companheira da paciente, que a acompanhou.

 

Fonte: LEM NEWS

O polêmico deputado federal Wladimir Costa (SD-PA), que ficou conhecido nesta semana por ter tatuado o nome do presidente no ombro direito, foi flagrado nesta quarta-feira, 2, durante a sessão de votação sobre a denúncia contra Michel Temer (PMDB), pedindo um “nude” de uma mulher por meio do WhatsApp. Segundo o parlamentar, a mensagem era uma resposta a um “pedido insistente” da moça para ver sua tatuagem no plenário.

“Ela me encheu o saco para eu mostrar a tal da tatuagem. Eu não preciso estar provando nada. Como posso tirar a camisa e correr o risco de crime de responsabilidade dentro do plenário?”, disse o parlamentar. “Não estava pedindo para ela mostrar. A bunda mais bonita que conheço é a da minha esposa”.

Apesar da justificativa, o deputado fez questão de dizer que “incontestavelmente as mulheres brasileiras possuem os bumbuns mais lindos do planeta.”

Na mensagem, o deputado escreveu, por volta das 17h27: “Mostra a tua bunda afinal não são suas profissões que a destacam como mulher é sua bunda. Vai lá põe aí garota”. O registro de seu celular, feito pelo fotógrafo Lula Marques, é do momento em que os deputados ainda discutiam o parecer que pedia o arquivamento da acusação contra Temer.

Em outra mensagem, Wladimir diz ao mesmo contato: “Fátima Bernardes, Sonia Abrãao, Marilia Gabriela, Mariza Godói são elogiadas, respeitadas e até desejadas pelas suas capacidades técnicas e não por um par de bunda, já bastante banalizada por todo o Tapajos do decano sortinho preto que reveza com o vermelhinho já bastante desbotado pelos anos”.

A moça rebate a mensagem do deputado. “Você poderia perder seu valioso tempo com coisas mais interessantes”, diz.

Nesta quarta-feira, Wlad voltou a causar alvoroço ao levar dois bonecos Pixuleco, uma referência ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), ao plenário. Um deles chegou a ser tomado pelo deputado Paulo Teixeira (PT-SP), que tentou destruí-lo com a boca.

A famosa tatuagem, porém, não foi mostrada no plenário. Na última segunda-feira, 31, o desenho em homenagem a Temer agitou as redes sociais com discussões sobre a permanência – ou não – da tatuagem. O parlamentar garante que sim, mas o Estado ouviu um tatuador que afirmou que o apoio foi feito a base de henna.

Vídeo. Defensor assumido de Temer, Wlad gravou um vídeo com o presidente após a votação na Câmara que barrou a denúncia por corrupção passiva contra o peemedebista nesta quarta-feira, 2. Nas redes sociais, o parlamentar chamou a data de “dia do fico”.

“Presidente, vitória do povo brasileiro, maioria absoluta. Deus e Michel Temer, com sua biografia e história”, começa Costa, ao se aproximar do presidente.

Temer responde ao deputado chamando-o de “Wlad”, apelido pelo qual o paraense gosta de ser chamado. “Foi, Wlad, uma vitória significativa, porque afinal foi mais da maioria absoluta da Câmara dos Deputados, o que revela a conexão, a junção muito grande do Congresso Nacional, da Câmara dos Deputados, com o Poder Executivo”, disse o presidente, após a vitória.

“A Câmara dos Deputados fez o que deveria fazer, justiça. Eu estou muito grato à Câmara dos Deputados, grato aos brasileiros e brasileiras que na verdade nos apoiaram neste tempo, aqueles que compreenderam as dificuldades do país, que estamos superando as dificuldades do país”, continuou Temer.

Fonte: Exame

As cantoras Simone e Simaria tiveram seu show encerrado pela polícia, na madrugada desse sábado, em Miami, na Flórida (EUA). A apresentação acontecia no River Yacht Club quando o som foi desligado pela polícia 15 minutos antes do horário previsto para o final do show, que era 2h. Isso deixou o público que lotou o local revoltado. Ao UOL, a assessoria de imprensa das cantoras confirmou a confusão e disse que tudo estava dentro do combinado por parte da produção da dupla e a casa tinha liberação de funcionamento até as 2h.

Ainda segundo a assessoria, as cantoras não conseguiram se despedir dos fãs. Celebridades brasileiras como Larissa Manoela, Mirella Santos, Ceará e Karina Bacchi estavam no show da dupla. Simone e Simaria não se pronunciaram sobre a confusão. Em seu perfil oficial no Instagram, elas apenas agradeceram a presença do público e dos famosos no show. "Boa noite amados, mais #sobreontem no primeiro show da #TourUSA 2017 em Miami (FL)! Obrigada a toda turma que lotou o River Yacht Club, e aos nossos migles que foram curtir o "Simone e Simaria Live" na terra do Tio San", escreveram.

Fonte: FAMOSOS

O ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, informou nesta quinta-feira (27) que o governo vai bloquear e remanejar recursos em um valor total de R$ 8,1 bilhões com o objetivo de cumprir a meta fiscal do governo, que é fechar o ano com um déficit de R$ 139 bilhões.

Oliveira confirmou o bloqueio de R$ 5,9 bilhões em gastos, anunciado na semana passada, e informou que serão remanejados para outras áreas R$ 2,2 bilhões, o que totaliza os R$ 8,1 bilhões, dos quais R$ 7,48 bilhões serão retirados do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

O ministro do Planejamento afirmou que o bloqueio de recursos do PAC não deve resultar, de imediato, na suspensão de obras públicas.

"A expectativa é de recomposição dos limites ao longo do ano. Pode haver atraso nos empenhos, mas isso poderá ser recuperado se conseguirmos reaver receitas", declarou o ministro.

Na lei orçamentária deste ano, aprovada pelo Congresso Nacional, os recursos para o PAC somavam R$ 36,07 bilhões. Com os cortes realizados até agora, o valor caiu quase pela metade: para R$ 19,68 bilhões.

Além do PAC, o governo também vai remanejar recursos de emendas parlamentares.

Segundo Oliveira, o governo procura reaver R$ 2,1 bilhões em precatórios não sacados por seus beneficiários; R$ 2,5 bilhões com a outorga de aeroportos; e R$ 1 bilhão com a privatização da Lotex.

 
Fonte: G1

O desembargador Hilton Queiroz, presidente do Tribunal Regional Federal da Primeira Região (TRF-1), derrubou nesta quarta-feira (26) a decisão judicial que havia suspendido o aumento no preço dos combustíveis.

Com a decisão do desembargador, volta a valer o decreto do presidente Michel Temer que elevou a alíquota de PIS/Cofins sobre a gasolina, o diesel e o etanol.

A tributação sobre a gasolina subiu R$ 0,41 por litro; a tributação sobre o diesel, R$ 0,21 por litro; e o imposto sobre o etanol, R$ 0,20 por litro.

Hilton Queiroz atendeu a recurso da Advocacia Geral da União (AGU), que representa o governo federal no Judiciário.

O órgão argumentou que, sem o aumento do imposto, o governo perderia R$ 78 milhões por dia, prejudicando o equilíbrio nas contas públicas e a retomada do crescimento econômico.

"Trata-se de medida imprescindível para que seja viabilizada a arrecadação de aproximadamente R$ 10,4 bilhões de reais entre os meses de julho a dezembro de 2017", argumentou a AGU no recurso, acrescentando que a verba é importante para cumprir a meta fiscal deste ano, que prevê déficit (despesas maiores que as receitas) de R$ 139 bilhões.

Ao acolher o pedido da AGU, Hilton Queiroz afirmou que a decisão de Borelli era "duvidosa" e concordou com os argumentos do governo quanto às contas públicas.

 

"No momento ora vivido pelo Brasil, de exacerbado desequilíbrio orçamentário, quando o governo trabalha com um bilionário déficit, decisões judiciais, como a que ora se analisa, só servem para agravar as dificuldades da manutenção dos serviços públicos e do funcionamento do aparelho estatal, abrindo brecha para um completo descontrole do país e até mesmo seu total desgoverno", escreveu o desembargador.

 

O decreto de Temer

 

O decreto sobre os combustíveis foi assinado pelo presidente Michel Temer na semana passada.

Com a decisão, a tributação sobre a gasolina subiu R$ 0,41 por litro; a tributação sobre o diesel, R$ 0,21 por litro; e o imposto sobre o etanol, R$ 0,20 por litro.

De acordo com a equipe econômica, o aumento da tributação sobre os combustíveis irá gerar, durante o restante do ano de 2017, receita adicional de R$ 10,4 bilhões para o governo.

Fonte: G1

O juiz substituto Renato Borelli, da 20ª Vara Federal de Brasília, determinou nesta terça-feira (25) a suspensão imediata do decreto publicado na semana passada pelo governo e que elevou a alíquota de PIS/Cofins que incide sobre a gasolina, o diesel e o etanol.

Procurada, a Advocacia-Geral da União (AGU) informou que a notificação sobre a decisão precisa ser presencial, ou seja, por meio de um oficial de justiça. Segundo o órgão, isso pode demorar alguns dias, mas a União pode se dar como intimada antes e entrar com um recurso.

Informou ainda que recorrerá da decisão, o que deve acontecer ainda nesta terça. No recurso, o governo deve argumentar que a lei permite que o presidente altere por decreto o imposto, dentro de uma margem legal, para cima ou para baixo.

A decisão liminar (provisória) vale para todo o país e atendeu a pedido feito em uma ação popular, movida pelo advogado Carlos Alexandre Klomfahs.

Apesar de determinar a suspensão imediata do decreto, tecnicamente a decisão só vale quando o governo for notificado. A decisão também determina o retorno dos preços dos combustíveis.

O aumento começou a valer na sexta (21). Segundo o governo, a tributação sobre a gasolina subiu R$ 0,41 por litro e mais que dobrou: passou a custar aos motoristas R$ 0,89 para cada litro de gasolina, se levada em consideração também a incidência da Cide, que é de R$ 0,10 por litro.

A tributação sobre o diesel subiu em R$ 0,21 e ficou em R$ 0,46 por litro do combustível. Já a tributação sobre o etanol subiu R$ 0,20 por litro.

Fonte: G1

O Fundo Monetário Internacional (FMI) revisou, de 0,2% para 0,3% a projeção de crescimento da economia brasileira para este ano. A estimativa faz parte do mais recente relatório “Perspectivas Econômicas Globais” (WEO, na sigla em inglês), divulgado nesta segunda-feira (24). Já para 2018, o organismo reviu o cálculo para baixo: a previsão passou de alta de 1,7% para elevação de 1,3%. A última versão do WEO havia sido divulgada em abril.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) rebaixou levemente o crescimento econômico da América Latina e Caribe para 2017 e 2018 e vincula a recuperação da atividade econômica à saída de Brasil e Argentina da recessão.

Fonte: POCA NEGCIOS

Sete estudantes brasileiros estão entre os 60 jovens de 27 países vencedores do concurso de redação Muitas Línguas, Um Mundo, realizado em parceria com a escola global de idiomas ELS (English Language School) e a agência Impacto Acadêmico das Nações Unidas (Unai, na sigla em inglês). A informação [e da ONU News

A cerimônia de premiação será realizada no hall da Assembleia Geral da ONU, em Nova York. Os vencedores – de países como Brasil, Cazaquistão, China, Índia, Líbano, Marrocos e Zimbábue, entre outros - viajaram para as cidades de Boston e Nova York para participar do Fórum Global da Juventude, que termina nesta sexta-feira (21).

Na oportunidade, os jovens apresentarão planos de ação para implementar a Agenda 2030 de Desenvolvimento Sustentável da ONU. Mais de 6 mil participantes de 170 países, vindos de 1.950 universidades espalhadas pelo mundo, se inscreveram na fase inicial da competição.

Fonte: MSN

Depois da determinação do juiz federal Sérgio Moro, responsável pelos processos da Operação Lava Jato na primeira instância, o Banco Central (BC) bloqueou R$ 606.727,12 de contas bancárias do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Além disso, houve sequestro e arresto de dois carros, três apartamentos e um terreno, em São Bernardo do Campo (SP). O sequestro e o arresto são medidas cautelares que evitam que o réu se desfaça de bens ou valores que podem ser entregues à Justiça após decisão definitiva. No momento, o ex-presidente pode usufruir dos bens. Quantos aos carros, ele não pode vender ou repassar a outras pessoas.

Lula foi condenado a 9 anos e seis meses de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no processo da Lava Jato envolvendo um triplex em Guarujá. A força-tarefa da Lava Jato acusou o ex-presidente de receber o apartamento da construtora OAS como propina por contratos na Petrobras. O ex-presidente nega.

O aviso do BC a Moro sobre o bloqueio foi feito na tarde de terça-feira (18). O processo tramitava em segredo de Justiça. A medida, de acordo com o juiz federal, pretende garantir “a reparação dos danos decorrentes do crime”.

Segundo Moro, ficou reconhecido que contrato entre o Consórcio Conest/Rnest gerou cerca de R$ 16 milhões em vantagem indevida a agentes do PT. Ainda conforme o juiz, dessa quantia, R$ 2.252.472 foram para o ex-presidente por meio do apartamento triplex.

Dos R$ 16 milhões, o juiz descontou o valor do triplex, dos três apartamentos, do terreno e dos dois carros e determinou que a diferença fosse bloqueada de contas bancárias até o limite de R$ 10 milhões.

 

O bloqueio

 

O pedido de bloqueio foi feito pelo Ministério Público Federal (MPF), em outubro de 2016, antes da sentença que condenou o ex-presidente. O despacho em que Moro autorizou o bloqueio do dinheiro é de 14 de julho deste ano.

 

  • R$ 397.636,09 no Banco do Brasil;
  • R$ 123.831,05 no Caixa Econômica Federal;
  • R$ 63.702,54 no Bradesco;
  • R$ 21.557,44 no Itaú.

 

O MPF chegou a pedir a constrição do veículo Ford F1000, de 1984. Entretanto, Moro negou pela antiguidade do veículo.

Fonte: G1

O juiz Sérgio Moro negou, nesta terça-feira (18), que tenha havido omissões, obscuridades ou contradições na sentença que condenou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a 9 anos e 6 meses de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Lula pode recorrer em liberdade.

Na Operação Lava Jato, o ex-presidente foi condenado no processo que investigou se o triplex em Guarujá, no litoral de São Paulo, era propina paga pela OAS a Lula por meio de contratos firmados pela empresa na Petrobras.

Lula negou as acusações. Na avaliação dos advogados que o representam, Moro teve atuação política na sentença. Esta foi a primeira vez na história que um ex-ocupante da Presidência foi condenado por um crime comum no Brasil.

Depois da sentença, a defesa do ex-presidente, então, pediu esclarecimentos sobre 10 tópicos da decisão de Moro. Esse recurso apresentado chama-se "embargos de declaração" e é usado como instrumento por advogados para solicitar ao juiz revisão de pontos da sentença.

Fonte: g

Na última semana, dois advogados contratados pelo ex-ministro Antonio Palocci para negociar delação premiada com a Operação Lava Jato se reuniram com procuradores da República, no QG da força-tarefa, em Curitiba.

Há poucos quilômetros dali, na sede da Polícia Federal, um delegado ouviu, mais uma vez, depoimento do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Também candidato a delator, o ex-deputado promete revelar fatos comprometedores contra o presidente da República, Michel Temer.

Peças importantes para a Lava Jato nas apurações de envolvimento de lideranças do PT e do PMDB, com foro privilegiado, em crimes de corrupção, os dois candidatos a delatores correm contra o relógio para fechar acordo com o Ministério Público Federal, antes da troca de comando na Procuradoria-Geral da República - que acontece em setembro.

Criminalistas e procuradores ouvidos pela reportagem avaliaram que não há garantia para as negociações em andamento, que os termos tratados com a equipe de Rodrigo Janot sejam mantidos, com a posse da nova procuradora-geral, Raquel Dodge. Ela foi nomeada por Temer - denunciado há dez dias à Justiça, após a delação do Grupo J&F - para o cargo nesta semana, após sabatina no Senado.

Além de políticos - núcleo que tem menor porcentual de colaboradores, entre os 158 -, estão na fila de candidatos a delatores: operadores de propinas, como Adir Assad, agentes públicos, como o ex-diretor da Petrobrás Renato Duque, e executivos de empreiteiras como a OAS, Engevix, Queiroz Galvão, Mendes Júnior e EIT. Há ainda as que estão em processo de recall de acordos já homologados, como a Andrade Gutierrez. Para eles, é incerto o rumo das negociações, depois de setembro.

"Temos uma corrida contra o relógio porque ele só fica até o dia 17 de setembro", disse o criminalista Marcelo Leonardo, que representa a Mendes Júnior.

"É natural que os candidatos à colaboração tenham alguma incerteza e ansiedade em relação ao futuro e busquem garantir a realização dos acordos logo", afirmou o procurador da República Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba.

Palocci contratou há dois meses os criminalistas Adriano Bretas e Tracy Reinaldet para negociar delação. As tratativas estão em fase prévia, que antecede o início oficial de negociações, e até aqui o conteúdo oferecido é considerado fraco. Cunha contratou o advogado Délio Lins e Silva e aposta suas fichas em um acordo com a PGR.

Advogado de pelo menos dez delatores da Lava Jato, o criminalista Antonio Figueiredo Basto, defensor de Duque, também enxerga um cenário incerto. "Existe um risco de descontinuidade, em razão de serem pessoas diferentes, que têm uma percepção diferente do trabalho que foi realizado até hoje", disse o advogado.

"Agora, existe uma questão importante que é a segurança jurídica. Não pode haver mudanças, porque ninguém pode ficar à mercê da boa ou má vontade do Ministério Público em fazer ou não um acordo."

Dallagnol não comenta negociações - a cláusula primordial das delações é o sigilo -, mas lembrou que Raquel Dodge "assegurou o apoio à Lava Jato". "Como as colaborações são o motor da operação, acredito que ela valorizará o emprego desse instrumento e garantirá um ambiente de segurança essencial ao instituto."

"Limite da lei"

Na sabatina no Senado, ao ser questionada sobre a imunidade concedida pelo Ministério Público a delatores, em uma referência ao acordo firmado por Joesley Batista, do Grupo J&F, Raquel defendeu a delação premiada "sempre no limite da lei".

"[A vantagem] deve estar em proporção com a colaboração. Aquele que colabora mais ganha uma vantagem maior. Mas sempre no limite da lei", disse ela, lembrando ainda que a delação premiada não é uma invenção recente da legislação e chegou a utilizar o instrumento em investigações na década de 1990.

A novidade, segundo ela, é a sua regulamentação. Principal pilar que sustentou a expansão das investigações da Lava Jato nesses quase três anos e meio de apurações, o instituto da delação vive seu momento de maior contestação em razão do acordo firmado com os delatores da J&F.

Decisão recente do Supremo, que confirmou a validade do acordo e a competência do relator do caso, ministro Edison Fachin, foi considerada uma vitória pelos representantes do Ministério Público Federal. Para procuradores, a garantia de que os termos contratados entre o colaborador e o MPF devem ser mantidos, deu segurança jurídica para os delatores e suas defesas.

Fonte: R-7

O ex-presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, foi condenado esta quarta-feira a nove anos e meio de prisão pelos crimes de corrupção passiva e branqueamento de capitais, num dos processos da operação Lava Jato, anunciou fonte judicial.

A sentença foi dada pelo juiz Sérgio Moro, responsável pelos julgamentos da operação Lava Jato na primeira instância.

Lula da Silva foi condenado por ter recebido vantagens ilícitas da construtora OAS num processo que investigava a propriedade de um apartamento de luxo no Guarujá, cidade do litoral de São Paulo.

Fonte: O Jogo

Segundo o meteorologista Heriberto dos Anjos, do PUC Minas TempoClima, a temperatura mínima em Belo Horizonte hoje chegou aos 6,1 graus na Estação Cercadinho, na Região Oeste da cidade. A sensação térmica chegou a -5 graus. Ontem, a mesma estação marcou 8,9 graus na capital mineira. A máxima hoje não deve passar dos 21.

 


Com 6,1 graus de temperatura, Belo Horizonte é a capital mais fria do país. O TempoClima utiliza dados do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). Segundo o levantamento, BH está na frente de São Paulo (SP), que teve 9,3 graus hoje, e Curitiba (PR), com 9,6 graus. Veja os números em outras capitais, conforme o TempoClima: 

  • Belo Horizonte (MG): 6,1 graus
  • São Paulo (SP): 9,3 graus
  • Rio de Janeiro (RJ): 12,1 graus
  • Vitória (ES): 14,5 graus
  • Porto Alegre (RS): 10,6 graus
  • Florianópolis (SC): 13,1 graus
  • Curitiba (PR): 9,6 graus
  • Campo Grande (MS): 13,8 graus
  • Brasília (DF) 10,6 graus
  • Goiânia (GO) 13 graus
  • Cuiabá (MT) 16,7 graus

A temperatura caiu ainda mais em Minas Gerais nesta terça-feira e Belo Horizonte registrou a menor temperatura do ano pelo segundo dia consecutivo e tornou-se a capital mais fria do país, segundo o instituto PUC Minas TempoClima. Hoje também foi registrada a menor temperatura do estado, em Maria da Fé, Sul de Minas, com  -0,8 graus às 7h. 
Ainda segundo o TempoClima, a previsão de hoje para a capital mineira é de tempo firme, já que a massa de ar frio e seco tem a característica de inibir a formação de nuvens. Os ventos intensos continuam ao longo do dia, diminuindo a sensação térmica. 

No restante do estado, as regiões da Zona da Mata, Central e Sul de Minas terão uma terça-feira de frio. Já nas regiões Leste e Triângulo Mineiro, a temperatura pode chegar aos 27 graus. No Norte de Minas, onde a atuação da massa de ar frio não é tão presente, a máxima pode chegar aos 31. 

Rigor do inverno deve diminuir


Ontem, os termômetros marcaram recorde de frio da estação, com 8,9 graus e sensação térmica de -5 graus na Estação Cercadinho, próxima às regiões Oeste e Centro-Sul da capital, às 7h, segundo o Centro de Meteorologia PUC Minas Tempo Clima. Os ventos durante a madrugada e no amanhecer chegaram aos 78,1 km/h, o que motivou a baixa sensação térmica em BH e resultou em 30 ocorrências de poda de árvores atendidas pelo Corpo de Bombeiros na manhã de ontem. O frio deve continuar, mas a previsão é de que os termômetros marquem temperaturas mais altas no fim da semana. 


Segundo o meteorologista Heriberto dos Anjos, o instituto não dispõe de dados estatísticos sobre sensação térmica. Ele disse desconhecer um registro negativo nos últimos anos em BH. A Região da Pampulha, de acordo com ele, registrou sensação términa de 6 graus na manhã de ontem. A queda de temperatura ocorreu devido ao avanço de uma massa de ar polar sobre Minas Gerais e o frio intenso deve permanecer, no mínimo, até amanhã. “Nos últimos dias estamos desfrutando de muito frio, mas não podemos afirmar que se trata de um inverno rigoroso. A nossa previsão de que as temperaturas fiquem em torno da média (mínima de 14,6 graus e máxima de 26,1)”, disse Heriberto. O recorde de baixa temperatura em Belo Horizonte havia sido registrado em 25 de junho, quando a cidade teve temperatura mínima de 10,4 graus.

Fonte: G1
voltar   home   subir  imprimir
  PUBLICIDADE


| Todos os Direitos Reservados |