LEM News - Notícias que realmente interessam!
(77) 9.9906-1346
DESTAQUES DO LEM NEWS

A família Batista decidiu indicar o patriarca José Batista Sobrinho, fundador do Grupo JBS, para substituir Wesley Batista na presidência da companhia, segundo uma fonte da empresa. O anúncio oficial deve ser feito ainda neste domingo.

O nome do novo presidente foi aprovado em reunião do conselho de administração da companhia, realizada neste fim de semana. O argumento da família é que José Batista Sobrinho, conhecido como Zé Mineiro, dará “estabilidade” à companhia, cumprindo o mandato do filho, que vai até 2019.

Neto do novo presidente, Wesley Filho passa a ser diretor estatutário da JBS. A ideia é que ele, André Nogueira, presidente da JBS nos EUA, e Gilberto Tomazoni, presidente de marcas globais da JBS, trabalhem ao lado de José Batista Sobrinho, assessorando-o no comando da gigante global de alimentos.

Wesley Batista está preso desde quarta-feira passada na Operação Tendão de Aquiles, que investiga se o empresário usou informação privilegiada para lucrar indevidamente no mercado de ações e de câmbio. A defesa do bilionário teve um pedido de habeas corpus negado pelo TRF da 3a. Região, em SP.

Conselho

Wesley era integrante do conselho de administração da JBS. Para seu lugar, irá Aguinaldo Gomes Ramos, membro da família, que trabalhou na JBS Mercosul, em operações do Uruguai e do Paraguai.

Fonte: Exame
19
Set/17

TX WEB

 

Fonte: Lem News

O juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara Federal em Brasília, aceitou denúncia do Ministério Público Federal (MPF) e colocou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva novamente no banco dos réus.

O petista vai responder pelo crime de corrupção passiva por, supostamente, ter participado da “venda” da Medida Provisória (MP) 471, de 2009, que prorrogou os incentivos fiscais para montadoras instaladas nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste.

O caso foi revelado pelo jornal O Estado de S. Paulo em 2015 e investigado na Operação Zelotes. Lula já é réu em outros cinco processos – sendo 3 na Lava Jato, 1 na Zelotes e outro decorrente da Operação Janus.

Em um sétimo processo, no caso do triplex do Guarujá, o petista já foi condenado a nove anos e seis meses de prisão pelo juiz Sérgio Moro. O petista também já foi denunciado em outros dois casos provenientes de investigações da Lava Jato.

Na denúncia, assinada pelos procuradores Frederico Paiva e Hebert Mesquita, Lula, o ex-ministro Gilberto Carvalho e mais cinco pessoas foram acusadas de envolvimento em corrupção para aprovação da MP 471, editada no segundo mandato do ex-presidente.

A MP, transformada em lei no ano de 2010, prorrogou os incentivos fiscais de montadoras instaladas nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste.

Segundo o MPF, a empresa Marcondes e Mautoni Empreendimentos, do lobista Mauro Marcondes Machado, representava os interesses da CAOA (Hyundai) e da MMC Automotores (Mitsubishi do Brasil) e teria ofertado R$ 6 milhões a Lula e Carvalho. O dinheiro seria para financiar campanhas do PT. Como prova dos repasses indevidos, o MPF elencou uma série de troca de mensagens e anotações apreendidas com os alvos da Zelotes.

Além de Lula e Carvalho, vão para o banco de réus os lobistas Mauro Marcondes e Alexandre Paes dos Santos, o APS, o ex-conselheiro do Carf José Ricardo da Silva e os executivos das montadoras Carlos Alberto de Oliveira Andrade e Paulo Arantes Ferraz.

Na decisão, o magistrado argumenta que há elementos suficientes para a abertura de uma ação penal.

Para ele, está “demonstrada a plausibilidade” das alegações contidas na denúncia em face da “circunstanciada exposição dos fatos tidos como criminosos” e a “descrição das condutas em correspondência aos documentos” levantados no inquérito da Polícia Federal.

O juiz explicou ainda que a peça de acusação atende aos requisitos do Código do Processo Penal, descrevendo “de modo claro e objetivo” os fatos imputados aos denunciados.

“Assim, nesse juízo preliminar, não vislumbro qualquer elemento probatório cabal capaz de infirmar a acusação, sem prejuízo da análise particularizada, com a eventual contraprova, quando poderá eventualmente ocorrer absolvição sumária, se for o caso”, escreveu Oliveira. Ele fixou prazo de dez dias para as defesas apresentarem questões preliminares e alegarem o que for de seu interesse, além de arrolarem testemunhas.

Em outra ação penal da Zelotes, Lula responde por tráfico de influência por, supostamente, ter oferecido seu prestígio a empresas, com a promessa de viabilizar a compra de caças suecos pelo governo de Dilma Rousseff e a edição de outra MP, a 627, de 2013, que também beneficiou montadoras.

O “serviço” teria sido pago com um repasse de R$ 2,5 milhões da Marcondes e Mautoni Empreendimentos à empresa de um dos filhos do ex-presidente. O pagamento também foi revelado pelo Estado, em 2015.

Fonte: Exame
19
Set/17

LEM MONT

 

Fonte: Lem News

Um forte terremoto atingiu novamente o México na tarde desta terça-feira (19). O tremor de magnitude 7,1 na escala Richter foi sentido com força na capital, Cidade do México.De acordo com os primeiros relatórios do Serviço Geológico dos Estados Unidos, o  terremoto ocorreu no Estado de Puebla, a uma profundidade de 51 km.

Até o momento, não há dados consolidados sobre o número de mortos ou feridos. Mídias locais falam em ao menos 50 vítimas fatais.

As primeiras imagens a surgirem nas redes sociais revelam cenário de pânico e destruição, com focos de incêndio, em partes da cidade. O aeroporto da capital foi fechado para pousos e decolagens.

Milhares de pessoas fugiram dos prédios de escritórios e se juntaram nas ruas para se proteger.

O terremoto ocorreu 32 anos após a catástrofe de 19 de setembro de 1985, que abalou a capital mexicana, matando 10 mil pessoas.

Na manhã desta terça, toda a cidade realizou treinos de preparação no aniversário da tragédia, um tremor de magnitude 8,1, que devastou grande parte da capital mexicana.

O presidente Enrique Peña Nieto esteva em Oxaca devido ao terremoto no último dia 8 de setembro, que deixou mais de 90 mortes, e relatou em sua conta no Twitter que convocou o Comitê Nacional  de Emergência para avaliar a situação.

Fonte: Exame

 

Fonte: Lem News

Textos que parecem mensagens cifradas, desenhos de mulheres nuas em banheiras com líquido verde, símbolos do zodíaco e desenhos de plantas e criaturas estranhas. Não é de se estranhar que estes e outros elementos, parte do conteúdo do Manuscrito Voynich - um livro ilustrado datado do período entre os séculos 15 e 16 e encontrado em 1912 pelo comerciante Wilfrid Voynich, que batiza o objeto - tenham intrigado especialistas e leigos há décadas sobre sua origem e função.

Com tamanho pequeno, 240 páginas ilustradas e uma capa de couro desgastada, o livro já foi apontado como "o manuscrito mais misterioso do mundo", como obra de extraterrestres e até como uma farsa fabricada por Wilfrid Voynich.

Mas no início deste mês, o historiador britânico Nicholas Gibbs diz ter chegado à resolução de tamanho e duradouro mistério. E, segundo seu artigo publicado na prestigiada revista britânica The Times Literary Supplement, a resposta é simples: o livro tinha como objetivo aconselhar sobre a saúde - principalmente das mulheres - e é uma amostra da medicina medieval de seu tempo.

Fonte: MSN

Os depósitos de benefícios do INSS em contas de pessoas já falecidas soma 1,015 bilhão de reais, segundo cálculos da Controladoria-Geral da União (CGU). O montante foi identificado em 73.556 processos administrativos, de 2016, que pedem aos bancos a devolução de recursos pagos indevidamente. O valor supera o total arrecadado pelo INSS com folha de pagamentos no último ano – de 730,7 milhões de reais.

Segundo a CGU, apenas 12% desse dinheiro (119 milhões de reais) foi restituído. A principal dificuldade em reaver os valores apontada pelo órgão público é que os bancos resistem em devolver os recursos. A alegação das instituições financeiras é de que, segundo a lei, só deveriam fazê-lo em caso de erro cometido por elas.

A Controladoria identificou, entre janeiro e agosto de 2016, 101.414 registros de beneficiários do INSS que correspondiam a pessoas já falecidas. Em média, eram pagas quatro parcelas após a morte dessas pessoas. Entre os casos mais graves, havia 1.256 beneficiários que morreram em 2005 e o dinheiro continuava sendo depositado.

Outro lado

O INSS disse, por meio de nota, que faz a suspensão de pagamentos indevidos de forma automática assim que é notificado pelos cartórios, e que a instituição está sempre aprimorando o sistema de controle. Segundo a lei, os cartórios devem informar em até 10 dias as mortes ocorridas no mês anterior.”Em média, mensalmente, 59.000 benefícios são cessados pelo INSS em razão de morte dos beneficiários”, diz trecho do comunicado.

A Federação Brasileira de Bancos (Febraban), também por meio de nota, disse que “têm apoiado o INSS na busca por soluções que evitem o pagamento de benefícios daquele Instituto a pessoas já falecidas.”

Fonte: msn

 

Fonte: Lem News

Na última segunda-feira, 18, o juiz Waldemar Cláudio de Carvalho, da 14ª Vara do Distrito Federal, concedeu uma liminar que abre brecha para que psicólogos ofereçam terapia para reorientação sexual, conhecida popularmente como 'cura gay'. A prática é proibida por uma resolução de 1999 do Conselho Federal de Psicologia.

A decisão do juiz gerou revolta nas redes sociais e muitos artistas se posicionaram contra, ressaltando que homossexualidade não é doença. Muitos artistas e internautas estão usando a hashatag #HomofobiaéDoença.

Anitta fez um vídeo com legenda em inglês e português criticando a decisão e dizendo que o País tem coisas mais importantes com o que se preocupar. "Eu tô devastada por dentro e quero mandar toda a solidariedade para o meu público e para os meus amigos. Eu estou aqui rezando para que os nossos representantes deem atenção para o que realmente é importante, que é consertar nossa miséria, nossa corrupção, nossa falta de educação, de instrução, até mesmo para ninguém mais cometer uma burrice como essa", falou a cantora no vídeo. 

 

Fonte: MSN

 

Fonte: Lem News

Um juiz de Guarulhos, na Grande São Paulo, entendeu que um homem bater na filha de 13 anos com um fio elétrico porque ela perdeu a virgindade com o namorado é “mero exercício do direito de correção”. Ele absolveu o pai da acusação de lesão corporal. O Ministério Público do Estado de São Paulo (MPE) vai recorrer da decisão.

No episódio, o pai também cortou o cabelo da filha à força. O processo corre sob sigilo e os nomes não foram revelados.

O juiz Leandro Jorge Bittencourt Cano, do Juizado de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher do município, entendeu que o acusado “aplicou moderadamente uma correção física contra a sua filha, gerando uma lesão de natureza leve.” Na sentença, escreveu ainda que foi um “fato isolado”.

Ela foi agredida em 20 de janeiro de 2016, com lesões corporais “de natureza leve” e ao menos oito ferimentos. O pai “enfurecido ao descobrir que a vítima estava em relacionamento sério com um rapaz, passou a agredi-la com um fio de televisão, golpeando-a diversas vezes nas costas”, diz a denúncia. “Não satisfeito, o denunciado, munido de uma tesoura, cortou o cabelo da vítima.”

Para a Promotoria, “a violência de gênero é patente, pois resta claro que as agressões” ocorreram porque a vítima tem “compleição física mais fraca”. Já o pai disse no processo que se fosse um filho a perder a virgindade aos 13 anos, “tomaria a mesma postura”.

Para o juiz, “é preciso que se use em excesso ou de modo inconveniente os meios disciplinadores, sem o que a conduta não pode ser considerada criminosa”. Já o corte de cabelo, diz, não era com a intenção de humilhar, mas proteger a vítima de ameaças que sofria de amigas. Procurados pelo Estado, o juiz e Tribunal de Justiça paulista não quiseram se manifestar.

Desde junho de 2014, o País tem a Lei da Palmada, que busca coibir maus-tratos contra crianças e adolescentes. Segundo a lei quem usar “castigo físico ou tratamento cruel ou degradante como formas de correção, disciplina ou educação” estará sujeito a punições, como tratamento psicológico e até advertência. A lei não chegou a ser citada pelo MPE na denúncia.

Fonte: MSN

 

Fonte: Lem News

Um forte terremoto de magnitude 7,1 provocou dezenas de mortes no México nesta terça-feira, dia que marca justamente o 32º aniversário do devastador terremoto de 1985 que provocou milhares de mortes.  O abalo desta terça atingiu a capital, de 20 milhões de habitantes e o sul do país. Na Cidade do México, provocou pânico, levou ao esvaziamento de prédios e casas e levou as pessoas a se aglomerarem pelas ruas.

Segundo a imprensa local, ao menos cinco pessoas morreram no estado de Puebla. Alfredo Del Mazo, governador do Estado do México, onde fica a capital, confirmou duas mortes nessa região. Ainda mais alarmante é a situação no estado de Morelos, com 42 mortes, segundo o governador Graco Ramírez.

Ao menos 20 prédios caíram ou ficaram seriamente danificados, infmorou o prefeito da Cidade do México, Miguel Ángel Mancera, em entrevista à Televisa. Segundo Mancera, há relatos de pessoas presas nos escombros de edifícios que ruíram, mas ainda não há um número exato de vítimas. 

O tremor ocorreu apenas algumas horas depois de muitos participarem de treinamentos sobre terremotos em todo o país no aniversário do sismo de 1985. 

Milhares de pessoas a abandonarem edifícios empresariais e deixou o trânsito parado no centro da Cidade do México. Imagens divulgadas pela mídia mexicana e em redes sociais mostram prédios danificados e ruindo e ruas cobertas de escombros. Partes da cidade ficaram sem energia elétrica e sinal de telefone.

O aeroporto internacional da Cidade do México comunicou a suspensão de suas atividades até que sejam concluídas verificações em sua infraestrutura. Não ficou claro quantos voos foram afetados.

Fonte: MSN
19
Set/17

RDIO CAPITAL

Fonte: Lem News

Fonte: Lem News

Fonte: LEM NEWS

Fonte: Lem News

O representante comercial dos Estados Unidos, Robert Lighthizer, disse nesta segunda-feira que a China representa uma ameaça “sem precedentes” para o sistema de comércio mundial, afirmando que o sistema econômico estatal do país asiático é um desafio “substancialmente mais difícil” do que no passado.

“A grande escala do esforço coordenado para desenvolver sua economia, subsidiar, criar campeões nacionais, forçar transferências de tecnologia e distorcer mercados na China e em todo o mundo é uma ameaça para o sistema de comércio mundial sem precedentes”, disse Lighthizer no Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais, um grupo de reflexão sediado em Washington.

Lighthizer, em uma de suas primeiras aparições públicas fora do Capitólio, colocou a China no centro da preocupação do governo do presidente Donald Trump de que o sistema comercial global não está servindo bem os trabalhadores e os agricultores americanos.

O foco em Pequim ecoa a mensagem da campanha de Trump em 2016 e ilustra a ênfase de sua administração nos déficits comerciais.

A China enviou US$ 347 bilhões em bens a mais para os EUA do que os EUA exportaram para a China em 2016.

O representante comercial mencionou apenas o governo de Pequim pelo nome em suas declarações preparadas e não se referiu no discurso à renegociação do Tratado de Livre Comércio da América do Norte (Nafta, na sigla em inglês) que envolve o México e o Canadá.

“Estamos nos movendo à velocidade da correnteza, mas não sabemos se estamos chegando a uma conclusão”, afirmou, em resposta a uma pergunta sobre o Nafta.

Em contraste, ele expressou otimismo de que as negociações comerciais com o Reino Unido serão bem-sucedidas.

O governo Trump procurou pressionar fortemente o México e o Canadá, que não acolheram algumas ideias americanas do Nafta.

Sobre a China, Lighthizer também evitou colocar um plano específico. Até o momento, o governo Trump abriu uma variedade de investigações relacionadas ao comércio com Pequim, mas atrasou a imposição de grandes peças, citando conversas contínuas com o governo chinês.

Ao lado do secretário do comércio, Wilbur Ross, Trump defendeu o uso de impostos sobre as importações de outros países como forma de pressioná-los em discordâncias comerciais.

“Devemos usar todos os instrumentos que temos para tornar mais caro se engajar em comportamentos não-econômicos e convencer nossos parceiros a tratar nossos trabalhadores, agricultores e fazendeiros de forma justa”, disse Lighthizer nesta segunda-feira.

Fonte: Exame
18
Set/17

TX WEB

 

Fonte: Lem News
voltar   home   subir  imprimir
  PUBLICIDADE


| Todos os Direitos Reservados |